Julienne Marie

 Na comuna de Villate, perto de Nozai (Loire-Inferior), havia uma pobre mulher de nome Julienne-Marie, velha, enferma, e que vivia da caridade pública. Um dia caiu num poço, do qual foi tirada por um conterrâneo, M. A..., que lhe dava habitualmente algum socorro. Transportada para seu domicílio, aí morreu pouco tempo depois, em consequência desse acidente.

A opinião geral foi que ela queria suicidar-se. No dia mesmo do seu enterro, aquele que lhe havia salvo, que era espírita e médium, sentiu sobre toda a sua pessoa como que um roçar de alguém que estivesse próximo, sem todavia explicar-se a causa disso. Tão logo soube da morte de Julienne-Marie, veio-lhe o pensamento que o seu Espírito viera visitá-lo.

Após ser aconselhado por um seu amigo da Sociedade Espírita de Paris, a quem tinha dado conta do que se passara, ele fez a evocação dessa mulher com o objetivo de ser útil; mas previamente, ele pediu o conselho dos seus guias protetores, onde recebeu a seguinte comunicação:

“Você o pode e com isso lhe dará prazer, conquanto o serviço que você se propõe prestar-lhe seja inútil. Ela é feliz e inteiramente devotada aos que lhe foram compassivos. Você é um dos seus bons amigos; ela quase não o deixa e se comunica muitas vezes com você, sem que você saiba. Cedo ou tarde os serviços prestados são recompensados, e, quando o não sejam pelo beneficiado, serão pelos que por ele se interessam, tanto antes como depois da morte. Quando o Espírito não teve tempo de expressar seu reconhecimento, outros Espíritos, simpáticos a ele, dão o testemunho de sua gratidão.

“Eis aí o que pode explicar a você a sensação que experimentou no dia do seu enterro.

“Agora, ela ajuda você no bem que você quer fazer. Lembre-se do que disse Jesus: "Aquele que se abaixar será elevado." Você terá a dimensão dos serviços que ela Espírito pode prestar a você, se toda vez você apenas lhe peça assistência para ser útil ao seu próximo.”

Evocação:

Boa Julienne, você é feliz, e isso é tudo que eu desejava saber; isso não me impedirá, de pensar muitas vezes em você e de jamais esquecê-la nas minhas preces.

R. Tenha confiança em Deus, inspire aos seus doentes uma fé sincera, e você terá sucesso quase sempre. Não se preocupe jamais com a recompensa que virá, ela estará além do você espera.

"Deus sabe sempre recompensar conforme o mérito, aquele que se devota ao alívio dos seus semelhantes, e põe nessas ações um desinteresse completo.

Sem isso, tudo é ilusão e quimera. É preciso a fé antes de tudo, de outro modo nada.

"Lembre-se desta máxima e ficará admirado dos resultados que você obterá. Os dois doentes que você curou são a prova; no estado em que estavam, apenas com remédios você teria falhado.

"Quando você pedir a Deus permitir aos bons Espíritos derramarem sobre você seu fluido benfazejo, se não sentir um estremecimento involuntário, é que a sua prece não foi bastante fervorosa para ser ouvida, ela é apenas nas condições que eu lhe assinalo.

"É isso que você tem experimentado quando você diz do fundo do coração: “Deus Todo Poderoso, Deus misericordioso, Deus de bondade sem limites, acolha minha prece e permita aos bons espíritos me assistirem na cura de... Tenha piedade dele, meu Deus e devolva-lhe a saúde, porque, sem você, eu nada posso. Que sua vontade seja feita.”

"Você tem feito bem em não desdenhar os humildes; a voz daquele que sofreu e suportou com resignação as misérias desse mundo, é sempre ouvida; e como você vê, um serviço prestado recebe sempre a sua recompensa. Agora, uma palavra sobre mim, e ela confirmará o que acima te disse: O Espiritismo te explica a minha linguagem como Espírito, sem que aliás me seja preciso entrar em detalhes nesse assunto. Eu creio também inútil falar-te da minha existência precedente. A posição em que você me conheceu na Terra deve fazê-lo compreender e julgar as minhas outras existências, que não foram sempre sem repreensões. Devotada a uma vida de miséria, enferma, e não podendo trabalhar, mendiguei toda a minha vida. Eu não estive a ponto de entesourar; e nos meus dias de velha, minhas pequenas economias limitavam-se a uma centena de francos, que eu reservava para quando minhas pernas não pudessem me carregar.

"Deus havia julgado minha prova e minha expiação suficientes, e deu-lhes um termo, me livrando dos sofrimentos da vida terrestre, porque não me suicidei, como acreditaram inicialmente. Eu morri subitamente à borda do poço, no momento em que endereçava a Deus a minha última prece. A declividade do terreno é a causa da presença do meu corpo na água.

"Eu não sofri; eu sou feliz por ter cumprido a minha missão sem entraves,e com resignação. Eu me tornei útil na medida das minhas forças, e dos meus recursos, evitei de fazer o mal ao meu próximo. Hoje recebo a recompensa e rendo graças a Deus, nosso Divino Mestre, que adoça a amargura das provações, nos fazendo esquecer, durante a vida, nossas velhas existências, e põe sobre nosso caminho almas caridosas, para nos ajudar a suportar o fardo das nossas faltas passadas.

"Persevere também você, e como eu você será recompensado. Eu lhe agradeço pelas suas boas preces e pelo serviço que me prestou. Jamais o esquecerei. Um dia nós nos tornaremos a ver e muitas coisas lhe serão explicadas; no momento, isso seria supérfluo. Saiba somente que eu lhe sou toda devotada, e que estarei ao seu lado quando tiver necessidade de mim para aliviar os que sofrem.

"A pobre mulher,.

"Julienne-Marie."

Quantas lições nessa comunicação:

Num primeiro momento: o médico socorre a pobre velhinha na terra. Num segundo momento: a pobre velhinha convertida em Espírito de luz socorre o pobre médico. Não sejamos nunca ciosos ou acabrunhados das posições que ocupamos na terra, pois é comum elas se inverterem

Queremos ter a agradável presença de bons Espíritos? eis a receita de Julienne-Marie: auxiliar aos outros sem nenhum interesse próprio.

Queremos colaborar na cura de alguém? Auxiliemos o enfermo a ter fé, e a fé do doente lhe dará a cura, senão a do corpo, a da alma que é a mais valiosa. Lembremos das palavras de Jesus: "vai em paz a tua fé te curou"

A quem pedir auxílio? Por vezes procuramos os poderosos do mundo, aqueles que dão ordens, para que nos favoreçam com seu poder, mas submetidos e dependentes de outros, nem sempre a sua voz é ouvida pelos superiores ou inferiores. No entanto o pequenino, o pobre, o desvalido, são sempre ouvidos por Deus e Deus tudo pode.

Queremos ser recompensados? Prestemos serviço no bem; os serviços no bem são sempre recompensados.



O Espírito de Julienne-Marie tendo sido evocado a 10 de junho de 1864, na Sociedade de Paris, ditou a comunicação seguinte:

“Obrigada por querer admitir-me no seu meio, caro presidente. Você bem sentiu que minhas existências anteriores, foram bastante elevadas sob o ponto de vista social; se voltei para sofrer a prova da pobreza, foi para me punir de vão orgulho que me fazia repelir aquele que era pobre e miserável. Assim, sofri esta lei justa de talião1, que me devolveu a mais detestável pobreza dessa região; e, como que para provar-me a bondade de Deus, não fui repelida por todos2: esse era todo o meu temor; assim eu suportei minha prova sem murmurar, pressentindo uma vida melhor, da qual não mais tornaria sobre esta terra de exílio e de calamidade.

"Que felicidade, o dia em que a nossa alma, jovem outra vez, pode reentrar na vida espiritual para rever os seres amados! Porque, eu também, eu amei e estou feliz de ter reencontrado aqueles que me precederam.

“Obrigada a esse bom M. A..., que me abriu a porta do reconhecimento; sem a sua mediunidade eu não poderia agradecer-lhe, provar-lhe que minha alma não esqueceu as felizes influências de seu bom coração, e lhe recomendar difundir a sua divina crença. Ele é chamado a reencaminhar as almas transviadas, que ele fique bem persuadido do meu apoio. Sim eu posso retribuir-lhe pelo cêntuplo o que ele me fez, instruindo-o no caminho que vocês seguem. Agradeçam ao Senhor haver permitido que os Espíritos possam lhes dar as instruções para encorajar o pobre nas suas penas, e deter o rico em seu orgulho. Saibam compreender a vergonha que existe em repelir um infeliz; que eu lhes sirva de exemplo, a fim de evitarem vir como eu expiar a suas faltas, por essas dolorosas posições sociais que os coloquem tão baixo, e fazem de vocês o refugo da sociedade.

Julienne-Marie.”



Transmitida a M. A... esta comunicação, ele por sua vez obteve a que se segue, e que é uma confirmação:

P. Boa Julienne-Marie, uma vez que você quer me auxiliar com os seus bons avisos, a fim de me fazer progredir no caminho da nossa divina Doutrina, queira comunicar-se comigo; eu farei todos os esforços para aproveitar os seus ensinamentos.

R. "Lembre-se da recomendação que vou te fazer e não se afaste dela jamais. Seja caridoso na medida dos seus recursos; você compreende bem a caridade tal como deve ser praticada em todas as situações da vida. Não tenho necessidade de vir lhe dar um ensinamento nesse assunto, você será, você mesmo, o melhor juiz; seguindo sempre a voz da sua consciência, que jamais o enganará, quando você a escute sinceramente. Não se iluda sobre as missões que você tem de cumprir; pequenos e grandes tem a sua, a minha foi penosa, mas eu merecia uma punição semelhante, pelas minhas existências precedentes, como confessei ao bom presidente da Sociedade mãe de Paris, a qual vocês todos se congregarão um dia. Esse dia não está tão longe quanto você pensa, o Espiritismo caminha a passos de gigante, apesar de tudo que fazem para entravá-lo.

"Marchem, pois todos, sem temores, fervorosos adeptos da doutrina; e os seus esforços serão coroados de sucesso. Que lhes importa o que dizem de vocês? Coloquem-se acima de uma crítica zombeteira, que recairá sobre os adversários do Espiritismo.

"Os orgulhosos! Se creem fortes pensando poder abatê-los; vocês, meus bons amigos, estejam tranquilos e não temam medir forças com eles. São mais fáceis de vencer do que vocês creem. Muitos dentre eles tem medo e receiam que a verdade não venha por fim lhes deslumbrar os olhos. Esperem, e eles virão a seu turno auxiliar ao coroamento do edifício.

"Julienne-Marie."



Esse fato é pleno de ensinamentos para qualquer um que medite as palavras deste Espírito nestas três comunicações, todos os grandes princípios do Espiritismo encontram-se reunidos aí.

Logo na primeira, o Espírito mostra a sua superioridade pela sua linguagem; semelhante a uma fada benfazeja, esta mulher resplandecente hoje, e como metamorfoseada, vem proteger aquele que não a repeliu sob os farrapos da miséria.

É uma aplicação destas máximas do Evangelho: “Os grandes serão rebaixados e os pequenos serão elevados: bem-aventurados os humildes, bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados, não desprezem os pequenos, porque aquele que é pequeno neste mundo, pode ser tão grande que vocês não acreditariam.”

Eis uma fada benfazeja conforme a palavra sensata, culta, moralizada de Allan Kardec. Uma mulher resplandecente, que no entanto passou, na terra, despercebida pela maioria.

Hoje o preconceito racial encontra-se bastante desgastado, porém o preconceito econômico vitima a maioria. O pobre, notadamente o muito pobre, é praticamente invisível. O rico, embora bajulado, é visto com desconfiança. Um homem não vale pelo que tem, ou pelo que não tem. Lutemos por nos libertar dessas preconceitos, que nos apequenam moral e intelectualmente.

1lei de talião, termo jurídico, infringir a uma pessoa do mesmo dano que ela haja causado a outrem; do latim "talio" = "tal, igual"

2Ela repeliu a todos os pobres, mas pela bondade de Deus, nem todos a repeliram.,   

Comments