Oração

Vigiar e orar para não cairmos em tentação; a prece é o tônico que nos fortalece sempre: nas horas difíceis para termos resignação e paciência; nas horas prazerosas para não nos enredarmos na ociosidade e no vício. Algumas preces e conselhos face a oração é que Cipriano nos oferece nos textos a seguir.

Visão de Jesus1

Texto de Cipriano

Vocês sabem que o Senhor houve por bem manifestar-se a nós, e disse-nos no curso de uma aparição:

“Pedi e recebereis”.

O aviso foi dado ao povo presente para pedir por pessoas determinadas.

Mas se na prece houver palavras e intenções que não se combinam, isto desagrada muito ao que disse:

Pedi e recebereis.

Pois o povo cristão não tem harmonia e não se encontra entre os irmãos o consenso, a simplicidade, a união dos corações.

Está escrito:

"Deus fez habitar em sua casa os que se entendem"

Nos Atos dos Apóstolos lemos:

"A multidão não tinha mais que uma só alma, um só coração."

E o Senhor instruiu de sua própria boca:

"-O mandamento que eu vos deixo é de amar-vos uns aos outros."

Se todos os irmãos se entendessem de acordo com os ensinamentos de paz que o Senhor nos tem dado, há muito tempo que já teríamos obtido da divina bondade aquilo que pedimos e não teríamos sido tão longamente sacudidos no meio da provas que colocam em perigo nossa salvação e nossa fé.

Comentário do Organizador

A força de uma reunião de cristãos está na harmonia de seus pensamentos; se há harmonia de pensamentos e sentimentos, conjugação de esforços no bem, mútua afeição, isso criará um “clima espiritual” extremamente propício para que os benfeitores espirituais, valendo-se dos recursos mediúnicos unidos a prece sincera, produzam maravilhas.

Porém se o ambiente mental é confrontado por pensamentos e sentimentos contraditórios, não teremos uma reunião de mentes e corações, mas simplesmente um lugar onde várias pessoas estão, isoladas espiritualmente uma das outras.

Não basta nos reunirmos para orar, é pré-requisito que estejamos reconciliados e harmonizados num fraternal elo de amor.

Naturalidade do intercâmbio espiritual2

Comentário do Organizador

O intercâmbio mediúnico a expressar-se em visões, sonhos, curas e mensagens transmitidas pela palavra ou escrita, ainda é, muita vez, objeto de zombaria.

Pupiano escreveu uma carta fazendo inúmeras acusações a Cipriano, entre as quais, valer-se de sonhos e visões nas orientações dadas ao grupo cristão de Cartago.

Na carta 66 Cipriano defende-se das acusações, inclusive daquela onde é acusado de acreditar em sonhos e visões.

Texto de Cipriano

Eu sei muito bem que alguns acham os sonhos ridículos e as visões absurdas, mas são precisamente estes que preferem crer contra os “protetores”que crer nos “protetores”.

De outro lado não há nada de estranho nisso, pois os irmãos de José3 não disseram dele?

"Ai de nosso sonhador! vamos matá-lo ..."

E o sonhador viu mais tarde seu sonho realizado, e seus assassinos, seus vendilhões, confundidos e obrigados a crerem nos próprios fatos, após terem se recusado a crer em suas palavras.

Quanto ao que você fez seja nas perseguições, seja na paz, seria loucura minha querer julgá-lo nesta altura, pois é você que estabeleceu-se como meu juiz.

Assim eu lhes respondo, com a consciência que tenho de minha Inocência e a confiança que tenho em Deus e em nosso Senhor: Vocês têm a minha carta, eu tenho a sua, no dia do julgamento, no tribunal de Deus, se lerá uma e outra.

Perseverança na oração4

Texto de Cipriano

“Oremos insistentes e assíduos, chorando ao suplicar.”

Esta censura, caríssimos irmãos, nos foi feita há pouco, numa visão, quando dormitávamos na prece não orando vigilantes.

Nós sacudimos, quebramos os liames do sono e oramos insistentes e vigilantes, segundo o apóstolo Paulo:

"Perseverai na prece, vigiando nela"

Os apóstolos não cessavam de orar dia e noite e o próprio Senhor, mestre de nossa educação e nosso exemplo, orava frequente e vigilante, como lemos no Evangelho:

"Saía para orar no monte, e pernoitava orando a Deus."

E quando orava, orava principalmente por nós pois Ele mesmo não estava caído, mas carregava nossas quedas.

Na verdade era por nós que Ele suplicava, tanto que lemos em outro lugar:

"E o Senhor disse a Pedro:

-Eis que satanás vai sacudir-te como o trigo, mas eu tenho orado para que a tua fé não desfaleça."

É por nós e por nossos delitos que Ele trabalha, vigia e suplica. Tanto mais nós devemos perseverar nas preces e súplicas.

Comentário do Organizador

Nesse mundo de expiação e provas a oração é um hábito muito necessário.

Nem longas preces, nem preces repetitivas; não é o muito falar que nos aproxima de Deus, mas estarmos constantemente ligados ao Senhor pelo nosso coração.

Mesmo nas mais comuns obrigações domésticas, sociais ou profissionais, agirmos conscientes que estamos na presença de Deus. Estando reunidos em atividade espiritual, notadamente mediúnica, a atitude da oração se impõe sobremaneira.

Visão dos dois jovens5

Texto de Cipriano

Foi visto um pai de família sentado, tendo à direita um jovem.

Este jovem está sentado com a mão no queixo, um ar aflito, ansioso, triste e descontente.

Um outro jovem está à esquerda, tem uma rede na mão, pronta para lançar e prender as pessoas à sua volta.

Como o vidente perguntasse a si mesmo o que aquilo queria dizer, foi respondido o seguinte:

-O jovem da esquerda se regozija porque se apresenta o momento de obter do pai de família a permissão de seviciar o jovem da direita.

Isto aconteceu bem antes da tempestade devastadora e agora vemos o seu cumprimento.

Enquanto nós desprezamos as ordens do Senhor e não observamos as prescrições salutares da lei, o inimigo obtém o direito de jogar a sua rede e enredar aqueles que estão menos armados e preparados para repelir seus ataques.

Comentário do Organizador

Os benfeitores espirituais frequentemente se comunicam através de quadros simbólicos. Só teremos a proteção de Deus para não cairmos em tentações e desequilíbrios se estivermos unidos a ele pela vigilância, oração e prática do bem.

Jesus afirmava:

“Vigiai e orai para não cairdes em tentação”.

Súplica6

Comentário do Organizador

Eis uma prece fervorosa, em meio aos sofrimento; prece de esperança e humilde confiança no Senhor.

Texto de Cipriano

Com simplicidade e unanimidade;

Com gemidos e lágrimas;

Como os que choram entre ruínas;

Como os que ficam a tremer;

Como fiéis que temem sucumbir;

Como uns poucos que resistem,

Em meio da multidão dos que fraquejam;

Nós não cessamos de pedir e esperar do Senhor:

Que amadureça a volta da paz;

Que o socorro venha;

Que nossas trevas e perigos se dissipem;

Que se produzam as transformações

Anunciadas pelo Senhor:

A restauração do "grupo cristão";

A segurança de nossa salvação;

A luz após as trevas;

A amena mansidão

Após as tempestades turbilhões

Pedimos a Ele que na sua piedosa afeição paternal venha em nosso auxilio, com sua divina majestade e habitual grandeza, para que:

As blasfêmias orgulhosas dos perseguidores sejam confundidas.

A fé estável e forte dos perseverantes seja glorificada.


1Trecho da Carta 11

2Trecho da Carta 66

3Cipriano refere-se a José filho de Israel, que tinha sonhos e os revelava a seus irmãos, e os seus sonhos mostravam que seria maior que seus irmãos, que o invejavam. Em virtude disso planejaram matá-lo, mas optaram por um crime menor e o venderam como escravo; porém José depois de um série de peripécias alcançou altos cargos no Egito e seus irmãos foram obrigados a curvar-se perante ele e aceitar o seu auxílio.

4Trecho da Carta 11

5Trecho da Cata 11

6Trecho da Carta 11

Comments