Sem título‎ > ‎O Amor‎ > ‎

Ódio

1Amem-se uns aos outros, e serão felizes.

Tratem, sobretudo, amar aos que lhes provocam indiferença, ódio e desprezo.

Substituindo nossas maus sentimentos pelo amor ao próximo estaremos dilatando e purificando o nosso coração e aproximando-nos de Deus; quanto mais próximo de Deus alguém estiver, mais feliz será; lembremo-nos das palavras de Jesus “bem-aventurados os puros de coração porque eles verão a Deus”.

O Cristo,que vocês devem tornar o seu modelo, deu-lhes o exemplo dessa abnegação: missionário do amor, amou até dar o sangue e a própria vida.

O sacrifício de amar os que lhes ultrajam e perseguem é penoso, mas é isso, precisamente,o que os torna superiores a eles. Se vocês os odiassem como eles os odeiam, não valeriam mais do que eles. É essa hóstia imaculada que vocês oferecem a Deus; hóstia de agradável fragrância, cujos perfumes sobem até Ele.

Duas pessoas estão se afogando no mar; uma consegue encontrar um rochedo, toma pé e eleva-se da água; a posição superior não a enche de orgulho; da posição mais segura e elevada ela estende a mão ao irmão que se debate nas águas e o salva. Assim devemos proceder nessas contendas que nos perdem e ao nosso adversário; elevarmo-nos a um plano superior de sentimento e salvarmos a nós ambos que nos afogamos numa multidão de argumentos, mágoas e ódio. Um espetáculo gratificante é vermos em casas espíritas quantos chegam na posição de inimigos encarniçados e transformam-se em operários dedicados da causa do bem.

Mas embora a lei do amor nos mande amar indistintamente a todos os nossos irmãos, ela não endurece o coração face aos maus procedimentos.

É essa, ao contrario, a prova mais penosa. Eu o sei, pois durante minha última existência terrena experimentei essa tortura. Mas Deus existe e pune, nesta e na outra vida, os que não cumprem a lei do amor.

Não é por amar muito nossos irmãos que deixaremos de sofrer quando eles nos agridem, ou cometem ações más contra outras pessoas; ao contrário um coração amoroso derramará mais pranto; mas como o bom Deus faz o sol brilhar sobre bons e maus e chuva abençoar justos e injustos, também nós, pequeninas criaturas, iremos distribuindo as migalhas de nosso amor a todos. E de futuro as sementes do bem, regadas com nossas lágrimas crescerão e se transformarão num perfumado jardim de afeições que devolverão nossas dores em centuplicadas alegrias.

Não se esqueçam, meus queridos filhos, de que o amor nos aproxima de Deus, e o ódio nos afasta d’Ele.

1 O Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. XII item 10

Comments